Política nacional

E não é que foi golpe mesmo?

dilma e temer

Por Lucca Vinha (Jejum) – T X

“A história será implacável com os que hoje se julgam vencedores”, DILMA, Presidenta.

Com estas belas palavras emprestadas, inicio o primeiro texto de uma coluna que espero ser bastante duradoura. Por coincidência, começarei de maneira positiva, uma vez que na atual conjuntura são raros os momentos de felicidade e, portanto, não podemos deixá-los passar.

Lembram-se daquele debate que vem dividido o país há alguns anos? Que tem arruinado almoços de domingo? Destruídos amizades, relacionamentos, mas começando alguns também? Então… Acabou.

Sim, caro (a) leitor (a), foi golpe.

Golpe mesmo, daqueles que pega 54 milhões de votos e joga fora; daqueles que só acontece depois da completa destruição do princípio republicano e esfacelamento das instituições; daqueles que abre as portas para regimes ditatoriais e neofascistas (viram como a conjuntura não ajuda?).

Em setembro de 2019 a “história implacável” começou a chegar. E chegou como? Em uma entrevista ao programa Roda Viva bem puxa saco e passa pano, no estilo que a produção tem feito quando o entrevistado é um crápula direitoso. Porém, desta vez nem o clima leve conseguiu evitar que o que todos já sabiam fosse explicitado: “eu jamais apoiei ou fiz empenho pelo GOLPE”. Quem disse? O ex-presidente responsável pelo início da destruição das relações de trabalho no país, por recolocar o Brasil no mapa da fome, por instaurar o caos no Rio de Janeiro com uma racista intervenção federal… Sim, senhoras e senhores, Michel Temer.

Caso isto não tenha sido suficiente pra você, que nessa altura do campeonato incrivelmente ainda não se convenceu, segue uma outra célebre citação que este setembro de 2019 nos proporcionou: impeachment de Dilma foi MANIPULADO pela Lava Jato. Não. Quem disse isso não foi nenhum esquerdopata petralha (embora nós, esquerdopatas petralhas, já defendêssemos essa tese há anos). Essa frase foi dita por ninguém mais, ninguém menos do que um dos principais articuladores tucanos do golpe e ex chanceler, Aloysio Nunes.

Esses dois breves relatos já deveriam ser suficientes para todos que defenderam as barbáries feitas com o país para derrubar Dilma e as consequências disso, se sentirem, no mínimo, envergonhados. Mas como eu sei que entender que estava errado após anos e anos esbravejando, acreditando em um conto de ficção bem mal-contado, pode ser algo difícil, ainda mostrarei a vocês mais uma dádiva deste setembro. Com a palavra, a cantora de punk jurídico, Janaína Paschoal: “Alguém acha que Dilma caiu por um problema contábil?”.

Vou resumir a ópera das declarações: um dos principais fatores que levaram a queda da presidenta Dilma e a destruição do primeiro projeto de Brasil pensado pelo povo e para o povo foi a operação Lava Jato. Sim, a operação que prometia limpar o Brasil da corrupção, mas que apenas intimidou para fraudar delações e levou a destruição econômica do país. Sob a tutela do “Superministro” (rs) da Justiça e da Segurança Pública, promotor juiz da operação a época, inicia-se o que a academia chama atualmente de “Direito free style”.

Inúmeras barbaridades jurídicas foram feitas com o único e exclusivo fim de acabar com a Presidenta eleita e, como objetivo final, o Partido dos Trabalhadores e a esquerda. Grampos ilegais foram divulgados; delações feitas por “livre e espontânea vontade” após centenas de dias presos; cerceamento do direito de defesa e uma série de outros absurdos ocorreram para atingir este fim. E tudo isto culminou na conjuntura perfeita para derrubar a Dilma e levar ao poder uma trupe fascista e oportunista, com tara de destruir todos os legados positivos de qualquer governo da história do país. E não digo só os do PT não, o getulismo, pilar do Estado Brasileiro, tem sido tão combatido quanto, com destruição da CLT, da Petrobrás e do funcionalismo público.

Dilma caiu, mas sua previsão começou a chegar. O golpe não pode ser relativizado. A narrativa não pode ser relativizada. Quem agiu para derrubar Dilma agiu contra a lei. Quem agiu para derrubar Dilma participou da prisão da única liderança popular capaz de frear este projeto antinacional e antipovo. Quem agiu para derrubar Dilma é responsável direto pelo governo fascista que foi eleito. Quem agiu para derrubar Dilma já sabe disso tudo e admite isso. E você? Até quando ficará do lado errado da história?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s