Coluna Sete

JJE

WhatsApp Image 2019-11-11 at 17.49.13 (1)
Acervo pessoal Casa 7

Por Atlética Casa 7

Independentemente de qual seja seu ano na graduação, “na minha época” é uma frase que você certamente já muito escutou, atrelada a disciplinas, festas, entidades e campeonatos. Dentre esses, o de mais relevância tem nome e sobrenome: Jogos Jurídicos Estaduais de São Paulo. Seja você a favor da participação da FDRP no torneio ou não, ao menos enquanto ele faz parte de nosso calendário, é preciso compreender sua importância e buscar preservá-lo.

No contexto geral, o JJE é um evento histórico, fato. Fundado em 1976, encaminha-se para sua 43ª edição, sendo esta a nona com a participação de nossa Faculdade. Reúne as maiores instituições de Direito de nosso estado e conta, desde 2017, com duas divisões, as Séries Ouro e Prata. As participantes mais antigas USP São Paulo, Mackenzie, PUC e FMU viram se juntar a elas, ao longo dos anos, FAAP, UNESP, FDF, FACAMP, PUC Campinas, Mackenzie Campinas, São Judas Tadeu, São Bernardo, Universidade Católica de Santos e nós, é claro.

E se a realidade da FDRP é muito distante das grandes da capital – que contam com centenas de alunos a cada ano, décadas de tradição, e Atléticas já consagradas – fazemos frente na luta pelo título do interior, disputado acirradamente com nossa maior adversária fora do Campus da USP Ribeirão, a PUC Campinas. Este ano, buscamos nossa quarta taça, visando repetir o feito de 2011 – nosso primeiro JJE – 2016 e 2018. Neste último, o título veio com a quinta colocação geral, quando nossos 103 pontos foram mais que suficientes para superar os 83 da PUCCAMP, e, por pouco, não igualamos os 109 da FMU.

Nos últimos anos, a rivalidade entre FDRP e PUCCAMP cresceu, e muito, à medida que nos tornamos adversários de peso. Em 2018, no chamado pré-jogos, a torcida rival exibiu nas arquibancadas de São Caetano, na partida do futebol de campo, o que seria o nosso caixão. Que esse tipo de provocação pelo menos desperte a vontade de sermos cada vez mais fortes. A necessidade de nos superarmos. E incomodar os adversários ainda mais dentro das quatro linhas. Este ano, o clássico vale, além do troféu, a permanência na primeira divisão: das oito participantes, duas serão rebaixadas, e faremos de tudo para que essa mera possibilidade passe bem longe de nosso cenário.

E apesar de nosso cenário particular, bem verdade que também fazemos questão de batalhar na disputa pelo pódio. Sobretudo com nossas modalidades individuais, que vêm se mostrando de um potencial excepcional nas recentes edições. Lilo e Eric são ótimos exemplos, com medalhas de ouro no atletismo, em 2016 e 2018, respectivamente. E a primeira glória da camisa bordô veio logo na primeira participação, em 2011, quando Misaac, Ita, Bisnaga, Tiagão e Silvio consagraram-se campeões do xadrez.

Sem dúvidas, o texto poderia se estender por páginas e páginas ante tantas memórias. De muita alegria ou de muita tristeza. Mas, com certeza, inesquecíveis. E agora no JJE 2019, a nós, a chance não só de manter vivas as antigas lembranças, mas, sobretudo, de construir novas histórias.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s