x

Haja caos!

WhatsApp Image 2020-04-02 at 17.19.26

Por Arthur Valença (Graal) – TXI

Boa noite amigo leitor! Digo boa noite já que é a hora em que escrevo esse texto, mas nada impede que porventura o leia de manhã ou de tarde. Não me ofende. Ofende-me que você não leia, então é bom que você leia. Na verdade não. Não preciso da sua atenção. Sei que escrevo bem de qualquer maneira. Sua opinião não me importa. Minto. Fui um pouco brusco com você. Vou parar por aqui. Na verdade a sua opinião ao meu respeito tem importado para mim por toda a minha vida. Nem importo muito com quem você seja. No fim das contas só sinto essa necessidade absurda de ter a sua aprovação, óh ser inominado. Mas não fique aqui por piedade de mim. Não quero sua piedade. Quero sua admiração. Então admire minha escrita, combinado? No fim das contas eu não sou ninguém mesmo. A minha existência perdura enquanto o meu criador quiser. Não foi decidido ainda se sou um personagem ou um pseudônimo. Aliás, não foi feita uma escolha importante a respeito da minha identidade. Serei uma hipérbole emocional manifesta em uma existência, ou serei a própria realidade da existência? Romantismo ou Realismo? Qual o gênero desse texto, que, a propósito, parece uma crônica, mas lembra um conto? Se eu colocar uns animais nessa atrocidade literária, ela se metamorfoseia em uma fábula? Transformo-o em poesia, ao lhe incutir aliterações? Quiçá a quimera quixotesca queira quitar a querela qualificada! Viu como sou versátil? Como tenho um vernáculo rebuscado? Faço poesias, ainda que as faça sem qualquer significado. Acho que vou parar com essa verborragia semi-intelectual. Mas o que tenho que fazer para te suprir, meu amabilíssimo leitor? Difícil escolher algo que lhe possa agradar por completo. Sobre o que tenho que escrever, quer dizer, falar, para que possa trazer um agrado utilitarista? Para você que não me entendeu, leigo, explico: dar prazer ao máximo de pessoas possível. Desculpa rebaixá-lo assim. Não quis chamá-lo de burro ou ser arrogante. Por favor não pense que sou um inveterado soberbo. Veja, meu caro, a arrogância é nada mais que o temor de que eu encontre em outro, um alguém superior. Já que meu maior medo é aquele velho sentimento de inferioridade que assombra o caminhar cotidiano. Pare Arthur! Quer dizer… Personagem Z. Isso, já me decidi, não serei o Arthur nesse conto-crônica-fábula-poesia-divagação-atrocidade. É melhor criar um grotesco homem que abarque o caos que habita em mim. A confusão, a arrogância, a necessidade de aprovação e a loucura. Dessa maneira, sempre terei nessa existência criada um alguém, um servo, que me considere um deus. Para as minhas personagens, sou o criador divino. Sempre serei para elas, superior. Para essa reles escória chamada personagem. Despejo nesse protagonista que fala, toda a inferioridade que em mim é sentimento, mas que nele será realidade. Só assim percebo que não há inferioridade no sentir, mas no ser. Por isso, não sou inferior, em nenhum momento. Sou um deus, adorado pela minha criação. É isso. Essa é a solução. Há deuses que começam pelo A. Eu começarei pelo Z. O primeiro homem se chamará Zé. Darei a ele o dever de ser igual a mim, mas nunca o permitirei que me alcance. Darei a ele um lugar perfeito de morada, mas colocarei no meio dele uma coisa sedutora, que lhe direi que não faça, só para vê-lo pecar e dar a ele castigo. Chamarei os meus desígnios de bons e imutáveis, ainda que mudem às vezes. Serei o maior de todos os enganadores. Farei com que Zé acredite que esse caos inexplicável que é essa narrativa faz sentido. No fim, condenarei-o por não ser como eu. Chamarei-me de bom e sábio. A ele de inferior. A quem foi dada uma única tarefa, a qual transgrediu. Ainda que não houvesse como realizá-la. Enfim, meu caro leitor. Contemple o nascimento de um novo mundo e de uma nova vida. Haja Trevas e Caos! Nos ouvidos confusos de Zé, todavia, ouve-se: haja luz!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s