Poesia

Marcas deixadas

Por Pedro Andrade Salomão (Safa) – TXIV da FDRP

Você me machucou
Mas a culpa não é sua, é minha
Pois eu te dei as armas para fazer isso
Me permiti ser vulnerável perto de você, indefeso
E doeu, como doeu
Doeu ao ponto de prometer para mim mesmo que nunca mais me permitiria ficar assim por alguém novamente
Mas será que vou conseguir?
Apesar de todas as marcas deixadas, ainda espero o amor
Ingenuidade minha? Talvez
Mas não posso deixar o passado me impedir de viver o futuro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s